O INÍCIO GLORIOSO

O ano era 1912. Os times da cidade eram Almofadinhas e o Barroquinha. O primeiro era considerado de elite e treinava, assim como jogava, em um campo de terra nas proximidades do Asilo de Mendicidade. Já a outra equipe, era da “massa popular”, do “povão” e tinha como campo de terra em que ficava localizado nos altos da antiga Rua do Comércio, hoje, é a rua Dr. Trajano. O nome “Barroquinha” era devido se iniciava uma barroca ao lado do campo. Pois é… “Barroquinha” é o que originou a nossa gloriosa Associação Atlética Internacional de Limeira no dia 05 de outubro de 1913. Por ocasião de vários imigrantes radicados na cidade, na época, como japoneses, italianos, alemães, portugueses, entre outros, o nome Internacional foi mais do que justo em homenagear todas as “etnias”.

 

Os primeiros “heróis” e diretores foram: presidente José Alves Penteado; vice-presidente: Fausto Esteves dos Santos; secretário: Ajax Garroux; “captain”: Antônio Esteves dos Santos Junior (Tonico Esteves) e João Busch como fiscal de campo. A primeira reunião, realizada no “Theatro da Paz”, determinou várias regras desportivas assim como os deveres dos associados. Uma delas, por exemplo, quem quisesse atuar pelo time tinha que ser sócio e, junto com os associados, pagar uma mensalidade de 1$000 (mil réis). Já na parte de futebol, o “captain” da equipe era para manter a disciplina assim como manter a ordem de todos, que, aliás, deveriam estar uniformizado com um calção branco de faixa preta, camisa listrada com as cores preta e branca, além de usar meias pretas com duas listras brancas e obrigatoriamente compridas. A primeira partida foi no dia 12 de outubro de 1913 contra o Sport Clube Carioba, na Vila Americana, na cidade de Americana.

O primeiro grande passo estrutural foi em 1921, quando a família Levy comprou o terreno declinado, do qual a Internacional jogava no campo de terra desse terreno e, realizou terraplanagem, além de deixar o campo pronto para estar em condições de ser um gramado, receber vestiários, arquibancadas e outras estruturas. Nesse campo (a Vila Levy) aconteceu duas partidas inesquecíveis para a glória da Internacional de Limeira como o de invencibilidade por 212 partidas, das quais, em uma partida contra o Palestra, da Capital, no dia 15 de dezembro de 1924, a mídia paulistana noticiou com grande destaque a difícil derrota da Internacional e ostentou-a até hoje o “status” de LEÃO DA PAULISTA. O esquadrão limeirense jogou com Quinze, Lau e Fenga; Ceará, Zequinha e Munhóz; Campineiro, Pollastri, Pacheco, Augusto Américo e José Petrelli. Contudo, em 1926, a melhor equipe da temporada e vitoriosa excursão pela Europa, o Paulistano, com o considerado melhor jogador do mundo da época, a estrela Friedenreich, veio para Limeira, no dia 26 de setembro e perdeu por 2×1 para a Internacional de Limeira.